27/11/2020 Salvador26°C

Intolerância religiosa ameaça atividades em terreiros baianos

Segundo o Ministério Público da Bahia, 90% das denúncias registradas em 2019 estão relacionadas às religiões de matriz africana

pluralidade religiosa de crenças encontrada no Brasil — Umbanda, Candomblé, Espiritismo, Evangelismo, Judaísmo e Catolicismo — contrasta com a intolerância ainda crescente entre adeptos e não adeptos. Embora seja considerada inviolável a liberdade de crença pela Constituição Federal de 1988, as denúncias relacionadas à “intolerância religiosa” tiveram salto de 67% em todo o país no primeiro semestre de 2019, segundo último relatório do ‘Disque 100’.

Foto: Divulgação

Entre as religiões que mais registraram denúncias no país, as de matriz africana lideram com 59% do total de reclamações, segundo o canal do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Em 2014, esse número era reduzido a 15% das denúncias. Tendo seus direitos e crenças violados historicamente, os adeptos das religiões africanas ainda sofrem com o racismo e a discriminação dos seus cultos, terreiros, práticas e iniciações.

Até mesmo a cidade de Salvador — considerada a capital mais negra do Brasil e de fora da África — os casos de intolerância religiosa seguem em alta entre as religiões de matriz africana. De acordo com dados do Grupo Especial de Proteção aos Direitos Humanos e Combate à Discriminação do Ministério Público da Bahia (MP-BA), as denúncias por intolerância cresceram 81% em 2019, sendo 90% das reclamações destinadas às religiões de base africana.

Para o umbandista, Carlos Lopes, os ataques aos terreiros e outros tipos de manifestações religiosas devem ser impedidos rigidamente. Praticante da Umbanda, o baiano afirma que a “religião” deve ter como propósito principal a solidariedade, paz, união e o respeito ao próximo, e não ser motivo de conflitos e intolerâncias, como é visto frequentemente nas ruas.

Enquanto cada grupo pretender ser o dono exclusivo da verdade, o ideal da fraternidade universal permanecerá inatingível. Prevenir a intolerância é assumir que nenhuma verdade é única e reconhecer que o outro tem livre arbítrio. Toda religião e crença deve ser respeitada, quando sincera e conducente à prática do bem. Todos nós devemos ser contra a intolerância religiosa, mudando desde agora nosso jeito de pensar, descobrir e se informar sobre o que acontece nas mais diversas religiões. Devemos ter essa mudança de pensamento não só na capital, mas como em todo o país“, conclui.

Carlos Lopes. Foto: Divulgação

Segundo levantamento do Instituto Datafolha, os católicos seguem representando a maioria dos fiéis no Brasil (50%), seguido por evangélicos (31%); irreligiosos (10%); espíritas (3%); adeptos de religiões afro-brasileiras (2%); outras religiões (2%), ateus (1%) e judaístas (0,3%).

*Texto adaptado

Carlos Sena

Sou Soteropolitano, Relações Públicas de formação, Político de opinião, Cervejeiro apaixonado por futebol e Pimenteiro como bom Baiano.


Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − 4 =


Sobre o Nosso Auê

Somos um novo portal que tem como objetivo compartilhar a cidade de Salvador, mostrar novos lugares, desbravar inúmeros cantinhos e sobretudo, conectar histórias! A vida lá fora é mágica e nós vamos desfrutar a nossa cidade junto com você, vamos fazer o Nosso Auê!


WhatsApp: (71) 98836-3724

contato@nossoaue.com

Rua Fernando José Guimarães Rocha, 35, Imbuí. Salvador – Bahia

© Copyright Nosso Auê 2020. Todos os direitos reservados