22/10/2021 Salvador26°C

'Solos em Todos os Solos' reexibirá 7 espetáculos neste fim de semana

Os sete espetáculos serão reexibidos neste sábado (24) e domingo (25). Os solos serão apresentados no canal Território Sirius no YouTube

O projeto digital de valorização e conexão de realizadores cênicos, desenvolvido por Fábio Vidal e Vinícius Piedade, apresenta virtualmente produções contemporâneas de artistas e coletivos de Salvador e traz uma diversidade de espetáculos marcados por valorosas interpretações e experimentações cênicas e audiovisuais, reunindo diferentes gerações, grupos, dramaturgias e temáticas. Quase 4 mil pessoas foram alcançadas por meio das oficinas, lives e apresentações propiciadas nessa segunda edição do festival.

Com o sucesso do projeto, o público poderá ter uma nova oportunidade de conferir os espetáculos. A programação adulta contará com os solos “Aos 50, quem me aguenta?”, com Edvana Carvalho, “Qualquer coisa a gente inventa”, com Meran Vargens; “Sobretudo amor”, de Mônica Santana, “Retratos imorais”, com João Guisande e “Joelma”, com Fábio Vidal. Já o universo infanto-juvenil será representado por “A mulher que matou os peixes”, que tem atuação de Maira Lins e “O Barão nas árvores”, com Marcos Lopes.

“Solos em Todos os Solos – SSA” é uma realização do Território Sirius e Multi Planejamento Cultural, contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

Espetáculos

“Aos 50, quem me aguenta?”
O espetáculo, que tem como ponto de partida textos autorais da atriz Edvana Carvalho, trata da sua experiência como mulher negra, nordestina, professora, artista, que, com mais de 50 anos, passa a lidar com desafios que a idade impõe à mulher contemporânea. O monólogo, dirigido por Marcelo Praddo, explora de forma leve e bem-humorada situações vividas pela mulher madura diante de uma sociedade que ainda se guia pela valorização da juventude e de diversos preconceitos em contraponto ao movimento de empoderamento feminino. Edvanda Carvalho foi indicada ao Prêmio Braskem de Teatro na categoria “Atriz”, pela sua atuação em “Aos 50, quem me aguenta?”.

“Qualquer coisa a gente inventa”
Sessão interativa de improviso, o espetáculo conta com a participação do público em que, por meio de memórias, referências e sugestões, Meran Vargens constrói um espetáculo único, encaminhando momentos poéticos, artísticos e filosóficos. O espetáculo, dirigido por Meran, tem duração média de uma hora e faz o espectador transitar por sensações e referências diferenciadas. Jogos cênicos se estabelecem e o espectador é convidado a interagir e a participar da tessitura do espetáculo inventado no aqui e agora.

“Sobretudo amor”
Ao unir a voz e vivências da autora e diretora Mônica Santana com as vozes e perspectivas de mulheres entrevistadas, o espetáculo revela a intimidade e questionamentos com o único intuito de aproximar e dialogar com o público sobre vivências e experiências, construindo juntos suas cartas, memórias e ritual. “Sobretudo amor” promove uma conversa da criadora com essas mesmas vozes, que impregnaram a obra – ao falar de si, de solidão, de encontro e de coletividade.

Sobretudo amor // Foto: Daniela Moura

“Retratos imorais”
Estreado em Portugal em 2018 e apresentado em diversas cidades brasileiras, a encenação se constrói de forma lírica, irônica e bem-humorada ao adaptar dois contos do escritor Ronaldo Correia Brito, “Mãe em Fuligem de Candeeiro” e “Mãe numa Ilha deserta”. Edmundo e Marivaldo são personagens que se revelam opostos e desconhecidos, que compartilham uma solidão habitual de muitos moradores de ilhas desertas e paisagens com aglomerações. Os dois monólogos se unem em um só espetáculo pelo fio invisível da poética nos avessos de duas almas, propositadamente abandonadas, no universo do absurdo da solidão humana. O espetáculo, dirigido por Moncho Rodriguez, rendeu a João Guisande o Prêmio Braskem no mesmo ano da sua estreia.

“Joelma”
“Joelma” traz à cena a história de uma das mais longevas mulheres trans do Brasil. Para além dos aspectos sobre sexualidade e gênero, a narrativa também apresenta a trajetória religiosa da personagem, que, hoje, aos 76 anos, vive em Ipiaú. A montagem afirma toda a trajetória de reinvenção de si, estabelecida por Joelma, mesmo frente a preconceitos e injustiças, instaurando respeito e dignidade e pautada numa postura ética de vida. Trata-se de uma encenação que transita por diversas linguagens artísticas: teatro, cinema, música e dança, apresentando um uso inovador da tecnologia na produção cênica. Em “Joelma”, temos o requinte da palavra e o refinamento do movimento em prol de possibilidades poéticas da cena. Espetáculo dirigido por Edson Bastos e Fabio Vidal, que também assume a atuação da obra.

Joelma // Foto: Alessandra Nohvais

“A mulher que matou os peixes – Uma pop-bossa samba’n roll”
Em “A mulher que matou os peixes – Uma pop-bossa samba’n roll”, Clarice Lispector, mãe e escritora revela seu descuido com os peixes de estimação de seu filho, ato que resultou na morte dos dois “vermelhinhos” e, durante toda a peça, tenta conquistar o espectador por meio de microrrelatos em que apresenta sua convivência com diversos animais, em situações de grande musicalidade, lirismo e identificação. O monólogo conta com texto e direção de Djalma Thürler e atuação da atriz e cantora Maira Lins. Um espetáculo cênico-musical que traz um diálogo inédito entre o texto original de Clarice Lispector e as músicas de Vinícius de Moraes e Toquinho.

A mulher que matou os peixes //Foto: Fellipe Oliveira

“O Barão nas árvores”
Lúdico e poético, o espetáculo conta a história de Cosme Chuvasco de Rondó, filho de nobres que aos 12 anos decide subir nas árvores e nunca mais descer, se transformando em um grande defensor da natureza. Ao misturar teatro, música e contação de histórias, as aventuras do barão, narrativa adaptada da obra de Ítalo Calvino, traz antigas brincadeiras infantis e manifestações da cultura popular nordestina. “O barão das árvores” impõe reflexões acerca de escolhas feitas na infância, preservação do meio ambiente e poder de transformação da realidade por meio da arte. O espetáculo infanto-juvenil é o primeiro solo do ator e produtor Marcos Lopes e tem direção de Guilherme Hunder.

O Barão nas árvores

Mais informações no site: www.territoriosirius.com.br/solos
Assista aos espetáculos: www.youtube.com/territoriosirius

 

Carlos Sena

Sou Soteropolitano, Relações Públicas de formação, Político de opinião, Cervejeiro apaixonado por futebol e Pimenteiro como bom Baiano.


Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 10 =


Sobre o Nosso Auê

Somos um novo portal que tem como objetivo compartilhar a cidade de Salvador, mostrar novos lugares, desbravar inúmeros cantinhos e sobretudo, conectar histórias! A vida lá fora é mágica e nós vamos desfrutar a nossa cidade junto com você, vamos fazer o Nosso Auê!


WhatsApp: (71) 98836-3724

contato@nossoaue.com

Rua Fernando José Guimarães Rocha, 35, Imbuí. Salvador – Bahia

© Copyright Nosso Auê 2021. Todos os direitos reservados

Futuring